Vetstoyou

Alergias alimentares em cães e gatos

Catarina Dias

Catarina Dias

Médica Veterinária

Algumas pessoas já se depararam com uma ou mais noites acordadas com o seu patudo a coçar-se persistentemente ou vomitando bolas de pelo como resultado da higiene excessiva, e sabe bem o quão frustrantes as alergias podem ser.

Assim como as pessoas, cães e gatos podem ser alérgicos a uma série de coisas, incluindo pulgas, alérgenos no ambiente (atopia) ou algo presente na dieta. Quando o sistema imunológico do seu animal de companhia reage exageradamente a certos ingredientes da comida, isso pode causar uma série de sintomas desconfortáveis. Mas, felizmente, com as estratégias certas e uma orientação veterinária, as alergias alimentares podem ser controladas, proporcionando uma vida feliz e saudável.

Quais as causas de alergias alimentares?

As alergias alimentares ocorrem quando o sistema imunológico identifica uma substância que normalmente é inofensiva como uma ameaça. Perante isto, o corpo instala uma resposta imunológica exacerbada, levando a quadros de inflamação e sintomas associados.

A dieta que o seu animal de companhia ingere normalmente, por vezes pode ser a origem do problema. Tanto em cães como em gatos, certas proteínas desencadeiam mais frequentemente reações alérgicas. Os suspeitos do costume incluem carne bovina, frango e laticínios em cães e carne bovina, peixe e laticínios em gatos. No entanto, qualquer ingrediente alimentar tem potencial para ser um alérgeno. As alergias alimentares podem desenvolver-se mesmo que o seu animal de companhia realize a mesma dieta já algum tempo sem problemas e geralmente são resultado de uma predisposição genética.

Quais os sintomas das alergias alimentares?

As alergias alimentares podem causar uma combinação de sinais cutâneos e gastrointestinais, incluindo:

Problemas de pele:

  • Comichão persistente (prurido) – especialmente ao nível das patas, orelhas e região anal em cães. Na cabeça e pescoço em gatos.
  • Lesões cutâneas – vermelhidão, inflamação e crostas
  • Infecções recorrentes de pele e ouvido
  • Queda de pelo
  • Problemas degistivos
  • Vômitos
  • Diarreias
  • Perda de peso
  • Mudanças comportamentais – aumento ou diminuição do nível de energia, agressão, hiperatividade

  • Alergias concomitantes – animais de estimação com alergias alimentares também podem ter outros tipos de alergias, como alergias a pulgas e atopia.

Como são diagnosticada as alergias alimentares?

Nem sempre o diagnostico é assim tão fácil. Muitos dos sintomas das alergias alimentares se sobrepõem a outras condições. Portanto, pode ser necessária alguma tentativa e erro para chegar a um diagnóstico definitivo. Muitos cães e gatos apresentam mais de um tipo de alergia.

O médico veterinário irá seguir um plano de exclusão, realizando algumas questões de forma a perceber melhor como se comportam as alergias no seu animal de companhia:

Existe um padrão sazonal? – As alergias alimentares geralmente causam sintomas que ocorrem durante todo o ano, enquanto algumas alergias ambientais podem ter um padrão sazonal.


Resposta ao tratamento – Certos medicamentos, como os corticosteroides, são extremamente eficazes no tratamento dos sintomas de alergias ambientais, mas podem não fazer diferença em animais com alergias alimentares.


Prevenção contra pulgas – Para descartar alergias as pulgas, também é fundamental garantir que todos os animais da sua casa estejam sob boa prevenção contra pulgas durante todo o ano.


Sintomas – Sinais gastrointestinais ocorrem em grande % dos animais com alergia alimentar. A distribuição das lesões cutâneas também podem ajudar a fornecer uma pista sobre a causa subjacente.

O teste de dieta de eliminação feito sob a orientação do seu veterinário, pode ajudar em muito a chegar à causa da alergia alimentar. Durante este teste de dieta de três meses, o seu animal de companhia mudará para uma dieta com novas fontes de proteínas e hidratos de carbono que nunca havia comido anteriormente. Este processo geralmente envolve a realização de uma dieta com proteína hidrolisada, na qual a fonte de proteína é quebrada em pedaços tão pequenos que o corpo não reconhece ou reage a ela. É importante seguir a dieta tal como o médico veterinário a prescreve, sem fornecer mais alimentos nenhuns durante esse período (nem guloseimas, restos de comida ou medicamentos aromatizados).

Embora possa ser tentador, é importante não mudar a dieta do seu animal de companhia sem orientação veterinária. As dietas vendidas sem receita, mesmo aquelas anunciadas como ingredientes limitados ou hipoalergênicas, são frequentemente contaminadas com fontes adicionais de proteína. Além disso, dietas sem grãos têm sido associadas a doenças cardíacas. Também é importante certificar-se de que a alimentação escolhida é completa e equilibrada, adequada à fase de vida do seu animal de companhia.

Como é realizado o tratamento para as alergias alimentares?

Embora não haja uma cura especifica para as alergias alimentares, o tratamento e o maneio envolvem evitar o(s) ingrediente(s) que dão origem aos problemas. Em alguns casos, o animal deve de continuar com uma dieta com proteína hidrolisada durante um prazo mais longo. Às vezes, podem ser necessários medicamentos adicionais para controlar os sintomas, especialmente para quadros de comichão (prurido) ou infecções secundárias de pele e ouvido.

Conte com a nossa equipa médico veterinária para mais informações.

Facebook
Twitter
Email
WhatsApp
Telegram